Qual a melhor forma de aprender?

Dicas para aperfeiçoar seu desempenho nos estudos

Estudar nunca foi uma tarefa fácil e nem prazerosa para algumas pessoas, no entanto quando estamos em idade escolar somos meio que obrigado a participar de todo o cronograma estabelecido pela a Instituição escolar. A escola muitas das vezes não se torna uma fonte de inspiração para os estudantes, torna se muito cansativo, chato e monótono, sendo assim, desinteressante para desenvolver alguma habilidade ou aprimorar aptidão para poder estudar.

Não existe uma regra padrão de como estudar, pois, somos únicos, e temos uma visão de mundo diferente dos demais. Aprendemos em ritmo diferente, na verdade temos que ser obrigado a adaptar ao sistema enquanto aluno e professor.  No entando essa adaptação como forma de habilidade é muitas das vezes o principal potencial para o fracasso escolar.

No entando surge outras formas de conciliar esses problemas usando técnica de estudo retirada de pesquisa da Neurociência pós-moderna, esta que se tornou um campo científico importante para a Educação no século 21. Para iniciar, temos que entender que nós estudamos/pensamos de duas formas: Focado e Difuso. Para a Drª Bárbara Oakley o pensamento focado é o mais costumeiro, em que o estudante se dedica horas aprisionado na leitura do livro, tentando entender o conteúdo. E o difuso somente é o pensamento que divaga deixando em cargo do inconsciente para encontrar a resposta.

As duas formas de pensar ajudam a entender como a informação pode ser processada pelo cérebro e por ventura compreender de forma mais complexa qualquer conteúdo, sendo teórico ou que envolva cálculos. É bem fácil entender o pensamento difuso: quem nunca já teve o Insight na vida? Aquele momento que você se depara com alta complexidade da informação e você não consegue entender de imediato, ao desligar-se totalmente do conteúdo por algumas horas ou dias o seu cérebro ainda está “pensando” no “conteúdo” mesmo que não esteja consciente, quando se deparar novamente com o que estava a estudar, você poderá obter a resposta, percebe? Isso já aconteceu com você?

Muitos famosos cientistas usaram o pensamento difuso para encontrar e desvendar inúmeros enigmas que outrora com o estudo focado seria bem difícil de perceber, pois o seu cérebro precisa, e ele é forçado a encontrar uma resposta para aquilo que o incomoda, podendo levar dias ou meses dependendo da complexidade na qual o pensador se dedicara. É aquele estalo mental que acende na sua cabeça no momento que encontra a resposta. Alguns teóricos como: Albert Einstein, Thomas Edison, Sigmund Freud usaram dessa capacidade para encontrar soluções para suas teorias.

Por isso é importante que o estudante pense, análise, vejam figuras e admire o conteúdo, e que possa refletir sobre o que está estudando, por isso é interessante que o aluno se desenvolva a partir das duas formas de pensar. Vale lembrar que não existe uma forma de pensar que sobrepôs a outra, ou seja, melhor. As duas são importantes para que o estudante desenvolva maiores habilidades.

A organização do pensamento é fundamental para criar novas habilidades cognitivas, o tempo necessário é relativo, o estudante pode dedicar a 2 horas de estudo com paradas de 15 a 25 minutos para que ele possa alcançar as duas formas de pensamento. Sem esquecer que outros atributos devem estar inseridos no processo de aprender a alimentação é importante devido ao gasto demasiado de energia que o estudante tem durante o estudo, o cronograma de sono, controle da ansiedade ou até mesmo a meditação, lazer, atividade física são essenciais para o estudante. Segundo a escritora caminhar ajuda ao cérebro a criar novas sinapses do conteúdo que fora estudado, pois o processamento da informação é contínuo, mesmo que esteja “desligado” do estudo ainda continuará por algum tempo.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *