Origem do Universo sempre foi uma incógnita.

O universo sempre foi uma incógnita, na verdade, não tenho a ideia concreta para afirmar com precisão certos fenômenos que ocorrem com frequência no universo. Quem nunca se questionou sobre a teoria do Big Bang? Esta teoria é a mais plausível para “explicar” a origem do universo já conhecido. Porém crava uma certa ideia incógnita na qual podemos refletir a tal ponto de questionar: o que é realmente é o Big Bang? O que ocasionou essa explosão? E o que existia antes? O nada? O que é o nada? Poderia o início do tempo e espaço ser originado pelo acaso? A criação das manifestações astronômicas são  caracterizadas pelo acaso? O acaso existe? São perguntas que parecem ser em simples, mas não o é. São indagações que nos faz refletir ainda mais sobre a incerteza da nossa origem. Existe nos trâmites das universidades  físicos teóricos que já consagrados nessas áreas como: Michio kaku e Neil degrasse Tayson que abordam com veemência nas mídias em geral sobre a teoria das cordas e outras. Esta equivale a explicar todo os fenômenos que rege o nosso universo, a “teoria de tudo” como é conhecida,dão  forma desse as menores partículas até as colossais galáxias. Mas antes disso ser firmado como verdade, devemos entender que ela está muito longe de ser comprovada, não temos recurso ainda suficiente para comprovação. Em síntese básica essa teoria está associada as cordas que vibram e se conectam, pensamos esses mundos menores do que átomo, elétrons, nêutrons que estudamos em física básica. Explicarei em outro poste melhor essa teoria, justamente com o universo paralelos que muitos afirmam que sejam formadas por membranas que estejam em outro nível de dimensão, essa teoria ainda afirma que o universo que conhecemos esteja em 11 dimensões explicada pela a teoria M que trata de upgrade da teoria das cordas como aborda Micho Kaku em seu livro: mundos paralelos.
Para que tudo isso seja possível temos que entender as duas forças que “podem” coexistir em nosso universo. Primeiro a já conhecida “GRAVIDADE” descoberta por Sir Isac Newton, que diz que é a força primordial que rege o universo e inclusive permite a forma “arredondada dos planetas. Mas para Albert Einstein a gravidade tem outra função, uma força que “modifica” o espaço-tempo, ou seja, a gravidade curva esse tecido. Vejamos: imagine uma cama elástica, e que que jogássemos uma bola com peso médio de 2kg, o que aconteceria? O elástico afundaria devido ao peso da bola, da mesma forma acontece no espaço que conhecemos, quanto mais massiva, maior a sua deformação do espaço-tempo, mas se um dia algum professor de Física te questionasse: qual a maior força existente do universo? Qual seria? A gravidade ou a eletromagnética? Penso que a segunda seria a resposta da maioria, não é verdade? Vejamos em outro experimento? Em tese a gravidade é uma força que “puxa” o objeto para baixo, certo? Mais que um pequeno ato pode “quebrara-lo” com facilidade. No exemplo de Sir Isac Newton que idealizou a gravidade ao cair da maçã, mas será que ele pensou que essa força pode ser quebrada a partir do momento que ele a retirou a maçã do chão? Que uma simples movimentar da força do meu braço quebre a influência da gravidade no objeto referido. Não parece esquisito? Ao mesmo tempo fácil e forte? A possiblidade que essa força seja o gráviton, que escreverei em outro poste. Então infelizmente não tenho as respostas sobre a origem do universo, ou seja, essa resposta ainda não foi descoberta, ficamos em meras suposições, e um impasse chama a atenção: a gravidade e a física quântica não podem coexistir, ou seja, uma dessa esteja errada.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *