O mundo atual está uma caos


Lembrando eventos recentes que ocorreram no Brasil atualmente.Se algum te perguntasse o que leva a um jovem cometer uma barbárie em Escola de Ensino fundamental o que você responderia? Que alguma entidade maligna se apoderou dos jovens e influenciou a cometer tal crueldade? Claro que não, isso não existe. O que existe é que o ser humano se torna violento durante a sua jornada de vida. Imagine se nós não tivéssemos algo que nos conter-se? Como leis e punições, por exemplo, nós nunca chegaríamos a se quer formar uma sociedade e nem família, por que viveríamos como animais.
Sigmund Freud médico neurologista e considerado o pai da psicanálise fez seus estudos sobre a consciência humana no século 20 um dos seus principais e mais relevantes trabalhos rodeavam em torno da análise do aparelho psíquico que segundo ele todos nós possuímos (pré-consciente, consciente e inconsciente e seguindo a suas instancias: Ego, Id e Superego) esses elementos definem toda a estrutura psicológica do ser humano, como suas atitudes, suas pulsões, emoções e desejos que ficam alternando entre estes elementos.
O Freud explica de forma breve que não somos pessoas perfeitas e totalmente sadias, isso enquanto saúde mental. Todos nós temos as nossas neuroses, ansiedades simples ou generalizadas e depressões, mesmo porque vivemos num mundo tão caótico, desequilibrado mentalmente egocêntrico e egoísta. Os afazeres para os trabalhos e suas obrigações são mais importantes do que o “bem-estar” do outro, só o meu é importante, o seu não, você deve estar sempre infeliz”. São com essas atitudes que o mundo está como estar, não é de surpreender que aconteça tanta manifestação de violência no mundo.
A psicanálise é uma ciência criada no século 20 por Freud e depois precedida por seguidores: Anna Freud, Lacan e Carl Gustav Jung e outros que construíram o alicerce para a psicologia contemporânea ditaram e influenciaram vários campos do comportamento, clínica e movimentos sociais como a luta antimanicomial e outras. A psicanálise ganha destaque para explicar fatores preponderante em nossa sociedade como a instituição da violência. Outro fator sendo desencadeado a violência como forma de alívio a dor consumada, traz o tocante a relação freudiana que enfatiza o início desde as primeiras estruturas psíquicas, infância e construção da personalidade, muitos desses desafetos e conflitos são estruturados como resultantes de má formação nas fases que Freud instituiu como teoria da personalidade (oral, anal, sexual, fálica)
Dando continuidade na teoria da personalidade os conflitos são formados devido a interferência dos mecanismos de defesa que o EGO e Superego desenvolvem. A simples exemplo o que podemos explica: como explicaria você sentir “raiva” “ódio” por outro por outro ser humano ou grupo? Se pensar bem, não terá uma resposta concisa, mesmo por que você, todos nós temos os nossos “motivos” ou algum sentimento “reprimido” “recalcado” em anos anteriores que você não externou e veio à tona com sentimento de aversão ao outro ser, porque você tem motivo de odiar todo mundo? Não, você odeia “naturalmente” “algumas pessoas”, mas se odeia um grupo aí sim, tem algo a ser considerado.
Os psicanalistas atuaram em muito tempo na teoria da sexualidade a principal do Freud deixando claro que não podemos confundir apenas com pratica do coito. As teorias da sexualidade estão atreladas aos pontos citados à cima. Porém tem uma relação de formação e tendência ao ódio e repulsão que vale apena se mencionada e relacionada. Muitos casos podendo até formar novos “criminosos” quando é possível perceber explosões de violência, perseguições a grupos específicos e ameaças de mortes como é corriqueiro nos dias de hoje.
A Explicação mais simples da discussão a cima pode ser precedida da seguinte forma: por que algumas pessoas tentem a odiar outros seres humanos por que relacionam com pessoas do mesmo sexo? Simples, o “conflito pessoal” acontece porque essa pessoa não passou muito bem pelas fases do desenvolvimento da personalidade, e possui conflitos do aparelho psíquico, e “tendem a odiar” a prática afetiva com pessoas do mesmo sexo, pelo simples motivo que este “ser” possui os mesmos sentimentos, só que “não aceitos” e “tendências “ homossexuais pela própria pessoa causando a violência e prática de homicídio, ou pessoas que não são felizes na vida tentem a sentir ódio pela a felicidade do outro.
Numa breve explanação sobre algumas vertentes da psicanálise podemos entender que o ato de violência é ocasionado primeiramente em nós mesmos, os conflitos. Os ódios causados a inúmeros casos de humilhações, desrespeito e perseguições que causam uma transformação na saúde mental do sujeito, podendo desestruturar a saúde mental de qualquer indivíduo. Os atos falhos são pequenos gatilhos que os psicanalistas percebem que há um problema de valor emocional no sujeito e que dificilmente o “paciente” percebe. Mas sem o devido cuidado pode gerar um problema maior como o ato de violência ou surtos de raivas que muitas vezes podem ser contidas.
Todo o ato de homicídio e violências tem suas causas e influenciadores aparentes não é formado do dia para a noite, mas leva tempo para tornar concreto, mas tudo é explicado. Quando nascemos não chegamos a esses mundos moldados em ódio e raiva, mas somos transformados culturalmente e ambientalmente tornamos as nossas repressões individuais, temos as nossas influências externas e internas. Cito alguns líderes da ditadura ou terroristas que na sua infância e juventude eram “pessoas” “boas” pelo menos não demonstravam base para o rancor e que por causa de situações negativas, perdas, humilhações, desmoralizações passaram a se comportar como pessoas tão cruéis, isso porque “foram” moldados pelos fatores desequilíbradores já mencionado à cima, tornando seres que demonstram puro ódio.
A ideia dessa campanha que pretendo não é necessariamente o combate somente o ódio ao outro, ao mundo, mas uma forma de proteger a nossa qualidade e saúde mental. Mesmo por que os conflitos que trouxe geram outros problemas e doenças mentais como: Ansiedade generalizada e depressão segundo o DSM.
É visível que estamos num mundo caótico provocado pelo avanço da Globalização se pegássemos os últimos anos e traçássemos um gráfico perceberíamos que houve um aumento dos diagnósticos de doenças psicossomática e ansiedade e depressão. A exigência para consigo cresce a cada momento as pessoas tentem a tornar-se “multitarefa” (estuda graduação, tem filho, contas a pagar, briga com o conjugue e outros) acarretando enorme sobrecarga deixando acumular muitas energias negativas e modificando a estrutura cerebral, causando deficiência da produção de serotonina, dopamina causando estas doenças.
GRAFICOS QUE REFORÇAM A NECESSIDADE DE PROCURA AO PSICÓLOGO

A IMPORTANCIA DA PSICOLOGIA/NEUROEDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO NO APRENDIZADO.

Já sabemos que a psicologia é uma ciência que estuda o comportamento humano na sua totalidade. É uma das ciências que mais contribuíram para a área de educação nos últimos séculos, apesar de ser uma ciência nova comparadas as demais ciências humanas A sua grandiosidade obre um vasto campo de atuação desde o processo clínico, educacional, UTI, hospitais, delegacia ou ações sociais junto à comunidade.
A relação com a educação está relacionada ao processo de aprendizagem e entender como o aluno desenvolve sua habilidade de aprendizado desde Skinner que desenvolveu a teoria do comportamento, tentativa e erro, e graus de recompensas e Pavlov com algumas experiências com cachorros que o sujeito aprendem por estímulos. Todas essas teorias contribuíram para que o aluno possa desenvolver suas habilidades cognitivas.
A psicologia não reina sozinha no campo da educação com as teorias humanística, behaviorismo, ela atualmente trabalha atrelada com outras ciências e inclusive a Neurociência. Desde as teorias cognitivistas já estavam abertos os caminhos para entender como o cérebro aprende e quais os mecanismos que precisam ser feitos para que o estudante possa desenvolver a sua capacidade de aprender.
Esse campo da Neurociência deu origem a Neuroeducação que é uma ciência mais voltada para a relação cérebro-educação-aprendizado. Entender as estruturas cerebrais, as suas formações fisiológicas dar mais ênfase para poder desenvolver novos métodos e técnicas de estudos que abrangem maior grau possível o aluno e uma das principais áreas mais estudadas na Neuroeducação é (área de Werneck e Broca) relacionados diretamente ao processo de leitura.
O campo da Neuroeducação permite compreender que o cérebro processa a informação de diferentes formas, o processo é bem rápido e se dá através de formações sinápticas química ou elétrica. A menor estrutura que compõem o cérebro é o neurônio (célula do sistema nervoso) a sua estrutura fisiológica é formado por? Dendritos que são responsáveis para receber a informação; o corpo celular, axônio que junto à bainha de mielina processa a informação para passar para outros dendritos, cada neurônio comunica-se com outros criando uma grande rede de informações (correntes elétricas ou químicas)
Essas estruturas sinápticas são formadas devidos a trilhões de trilhões de células do sistema nervoso que compartilham informações criando uma enorme rede que não são duráveis se caso não forem reforçadas ou manipuladas isso cabe a formações de doenças psicossomática e emocionais como ansiedade e depressão. A importância dessas sinapses é mantê-la forte e estruturadas, por isso atuação da Neuroeducação a criar técnicas cognitivas.
É relevante entender que antes de formação desses processos sinápticos existem recursos que equivalem a entender que são as memórias. Segundo o médico neurologista Izquierdo nós humanos temos três tipos de memória: a de curtíssimo prazo, curto prazo e longo prazo. A Memória é o principal recurso humano para qualquer tipo de aprendizagem, as formações que são levadas a memórias são processadas pelos canais (sentidos humanos) e processadas em regiões especificas e para cada informação gera-se um novo neurônio e campo em áreas no cérebro.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *