Filme de terror e a Geografia




Alfred Hitchock e Stephen king são os mitos dos filmes de terror. A genialidade das suas tramas provocam sentimentos além da imaginação. Hitchock, tem uma característica em seus filmes que muitas das vezes ficamos confusos e até não entendemos, mexe com o psicológico do telespectadores e “trata” o psicológico nos seus personagens como percebemos no filme Pysico, Norman Bates, visivelmente possuidor de um “transtorno” grave, toma o desejo da mãe para si, a sua mãe não gostava que o rapaz em sua juventude se relacionasse com outras garotas, O norma por sua vez “transforma “na mãe, adquirindo assim a sua personalidade, como resultado disso, torna o/a psicopata que todos nós já conhecemos .




 O king traz uma espécie de jogo sobrenatural. O Filme O iluminado, filme de maior sucesso, oriundo dos seus best-selles, se passa no hotel Overlock, filme estrelado por Jack Nicholson, no papel de Jack Torrance, percebemos no decorrer do filme o seu filho é possuidor de poderes psíquicos e habilidade de prevê o futuro. O jack, “enlouquece” e tenta destruir a sua família até o termino da trama. Bom poderia passar a postagem toda descrevendo cenas dos filmes mais premiados no cinema Internacional esquecer de outros como: Exorcista, Sexta Feira 13, hora do pesadelo, Massacre da Serra Elétrica, contatos imediatos, o Exorcismo de Emily Rose e tantos outros, mas o que queremos aqui é pensar o duplo sentido que os filmes trazem.
Será que podemos estudar  Geografia com os filmes de terror?




A ideia dessa postagem não é apenas citar ou descrever os filmes famosos e sim extrair o que eles têm a nos oferecer. Percebemos nas cenas que a “geografia” e outras áreas das humanas estão inseridas no contexto dos filmes, claro que na forma secundária. Traz uma analogia, sei que pode estar estranho tudo isso, mas tem kkk. A interpretação é simples, vai além do fictício, numa espécie de duplo sentido. Os mesmos visam discutir “temas” que estão no “auge” claro que é definido pelo o tempo histórico e respeitando a época que foram produzidos é bem fácil perceber no filme de King, as relações do capitalismo, quando o protagonista aceita a “oferta boa”, a interação social e logo após tornando isolamento social., os meios tecnológico, transportes, comunicação que percebemos quando os atores utilizam. A vegetação fria típica de clima subtropical, a neve devido à baixa temperatura, as formação das casas e as vestimentas que usam, a formação geológica que constituem as montanhas, planície e outros.




No filme o Exorcista de William Friedkin, traz uma polêmica questão que é a religiosidade e a disputa entre o bem e o mal percebe-se que se discute todo o poder da igreja católica. Mas o que o Exorcista traz em relação a geografia? Simples a dominação da mulher,o poder que elas representam, pois as suas protagonistas detêm o comando que o filme representa, a mãe Chris MacNeil, representa bem o papel de poder da mulher, pois ela é a estrela de cinema com vida estabilizada e com poderio econômico sem “depender” do papel do homem. Já a filha Regan MacNei, demonstra a descoberta da juventude, sem a presença do pai a vida econômica de status elevado  e outros. Percebemos que o Exorcista foi ao cinema na década de 70, o mundo nessa época ocorria os grandes fluxos migratórios, era o auge da guerra fria, a influência da mídia e as  descobertas da tecnológica, como por exemplo: corrida espacial. No Brasil a formação da urbanização, êxodo rural acelerado, industrialização defasada ou tardia e dentre outros.




Vários outros filmes que trazem o “terror” dariam muitas boas postagens mas não era a minha intenção  de analisar, ou estudar profundamente e nem descrever as cenas dos filmes nos mínimos detalhes é apenas uma expressão de pensamento ou momento de reflexão. Mas espero que gostem e que leiam com o intuito de diversão e olhe  com um “olhar” geográfico na próxima vez que assistirem ao um belo filme de terror.




Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *