Algumas considerações sobre HIV/Aids




Sabemos que o Hiv/Aids é um problema de ordem mundial que vem acarretar inúmeros problemas e causa milhares de morte em todo o mundo. Em se tratando da doença aids/hiv deixou de ser sentença de morte em 1996, o Brasil se tornou o primeiro país emergente a oferecer o tratamento antirretroviral, financiado pelo governo, nosso país, é sinônimo de qualidade em combate a epidemia. A doença é considerada pela OMS (Organização Mundial de Saúde), alto risco, pois não há cura, o alerta maior ainda está voltado ao grupo de risco (não muito usado pelos profissionais de saúde) homens homossexuais, profissionais do sexo, e usuário de drogas injetáveis.

Infelizmente nas últimas décadas aumentou os casos de infecção por Hiv muitas das vezes devido a problemas de gestão ou mudança administrativa, que se torna muitas das vezes absurdo, pois impedem o tratamento de pessoas doente, devido a questões burocráticas. e ainda o contato sexual desprotegido, e uso de seringas não esterilizada Nos últimos anos as pessoas tiveram maior “consciência” do problema e criaram outros meios eficazes, a mídia televisiva apoiou a causa muitas as vezes, levando a informação e alertando sobre contagio, agilizam o processo de tratamento e prevenção, com isso foi criado vários departamentos, e programas de educação sexual




Com o surgimento do SUS (Sistema Único de Saúde) amenizou um pouco essa proliferação de infectados, o programa (projeto) SUS é um dos melhores projetos de saúde pública no mundo, apesar de vários problemas que se passaram em questões de gestão. Vale ressaltar que os primeiros casos de HIV, no Brasil foi registrado em 1982 entre homens homossexuais na cidade de São Paulo, o programa estava em seus estágios iniciais, sendo por muitas as vezes ineficaz no rastreio de novos casos, estimula-se que entre os anos de 1987 e 1990 subiram os casos de 2600 para 9000, a maioria eram homens de classe média Alta.




Os anos 90 foram primordiais para que o governo criasse o tratamento antirretroviral que hoje é gratuito e oferecidos nos centros de saúde especializada ambulatórios, os custos saíram principalmente do orçamento do PNA. A política Nacional de prevenção e é difundida em três estágios primordiais: 1º garantir o acesso universal ao tratamento, 2º aumentar o diagnóstico e prevenção. 3º manter o relacionamento proativo com a sociedade civil. Os testes anti-hiv são realizados pelos centros de testagem (CTA), são feitos teste rápido se houver necessidade faz o Elisa para confirmar o diagnóstico.




Apesar do avanço na política e a formulação de outros programas ainda existe muitos casos sendo descobertos diariamente, hoje, a nossa sociedade apesar de ser informada muitos ainda não sabem sobre o os risco e precaução, e com avanço da medicina são inseridos no coquetel medicamentos que causam menos consequência ao organismo. O nosso país é enorme e com dimensão continental, entre os países com economia emergentes, nosso pais acarretam vários problemas em termo de território, com isto causa maior dificuldade para os profissionais de saúde combater, o Brasil possui população em média 204 milhões de pessoas, divididas em 5 regiões gigantescas, muitos desses lugares estão bem precários e possuem condições sub-humana, é desafio dos grandes a combater, muitas das vezes esses lugares escondidos, dificultam ao máximo o rastreio e para a liberação de medicamentos para essas pessoas o Tratamento com antirretrovirais é grátis e acessível a todos encontrado no posto de saúde, hospitais ou CTA nos municípios. Acreditamos que a medicina e o avanço da tecnologia possam criar métodos ainda mais eficazes para erradicar de vez esse mal que levam milhões de pessoa por ano a óbito.




Visita em setembro de 2015

Agradecimento ao CTA pela informação.




Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *